Como analisar a viabilidade de um novo projeto

Como analisar a viabilidade de um novo projeto

Análise de viabilidade

O empreendedor consegue eliminar projetos em que não compensa investir e direcionar seu esforço e dinheiro para projetos mais promissores, especialmente quando é necessário decidir entre dois ou mais projetos e se tem dinheiro para investir em apenas um.

 

=============

Vimos no artigo “Como funciona a tributação para farmácias” que empresa ou negócio é “uma atividade econômica organizada exercida por uma pessoa, ou um grupo de pessoas, que tem como objetivo a produção e a circulação de bens e serviços, atendendo a uma demanda do mercado”. Sabemos também que o objetivo dos empreendedores é gerar lucro. Para isso, o empreendedor desenvolve inúmeros projetos. Sabendo que nem todos são bem sucedidos, é muito importante planejamento prévio. A análise da viabilidade de um projeto antes de executá-lo diminui os riscos de fracasso.

 

O que é análise de viabilidade de projeto?

É um estudo que visa identificar previamente se determinado projeto é viável ou não, comparando os retornos que poderão ser obtidos e facilitando a decisão sobre se vale a pena ou não seguir com o investimento.

 

Por que fazer?

Com a análise de viabilidade, o empreendedor consegue eliminar projetos com pouco potencial e direciona esforço e dinheiro para projetos mais promissores. Esse estudo é especialmente interessante quando há mais de um projeto no radar, mas os recursos são suficientes para apenas um.

 

Como fazer análise de viabilidade?

Será necessário seguir as seguinte etapas: projeção de receitas que o projeto traria; projeção de custos, despesas e os investimentos necessários; análise de indicadores calculados em cima dos dados projetados de receitas, despesas, custos e investimentos.

 

1. Projeção de receitas

A projeção de receitas identifica a capacidade de gerar dinheiro para o empreendedor e deve seguir algumas premissas; exemplo: conhecer bem o mercado para evitar projetar números inatingíveis. Outra premissa é nunca começar a projeção de receitas com a capacidade total de geração de receitas, mas com números realistas, como 50% da capacidade ou até menos. Tudo depende do mercado e dos investimentos que serão feitos. Por último, projetar crescimentos para as receitas, e isso é válido também para a projeção de custos, despesas e investimentos, pois ambos dificilmente permanecerão no mesmo patamar.

 

2. Projeção de custos, despesas e investimentos

Essa projeção também deve obedecer a algumas premissas. A principal é a de que devem existir custos, despesas e investimentos que justifiquem a sua projeção de receitas. Por exemplo, se você estiver projetando a abertura de uma pequena farmácia de manipulação, sua projeção de vendas depende da capacidade do negócio de produzir as formulações magistrais. Logo, será necessária a existência de investimento em maquinários, além de custos e despesas condizentes com essa projeção de produção.

 

3. Projeção dos fluxos de caixa

O fluxo de caixa é a dinâmica do dinheiro que entra e sai da empresa todos os dias. É um instrumento essencial para realizar a gestão financeira de uma empresa. O fluxo de caixa será obtido pela diferença entre as projeções das receitas e das despesas.

 

4. Análise de indicadores

Existem vários indicadores para se analisar a viabilidade econômica e financeira de um projeto. Porém, iremos falar de apenas três deles: o Valor Presente Líquido (VPL), a Taxa Interna de Retorno (TIR) e o Payback. É nessa etapa que o empreendedor irá descobrir se o investimento deve ou não ser realizado, pois será possível identificar a viabilidade e a expectativa de lucros, além do tempo necessário para recuperar o total investido.

 

Taxa Mínima de Atratividade – TMA

Essa taxa representa o retorno mínimo esperado para um investimento e é definida levando-se em consideração a fonte de capital (próprio ou através de empréstimos), além da margem de lucro que se espera obter com o investimento. A TMA varia conforme a empresa e pode ser apurada de diversas maneiras. Uma referência genérica é a taxa Selic (taxa básica de juros da economia brasileira), pois ela afeta tanto o lado da captação de recursos, quanto das aplicações financeiras. Por exemplo, com a taxa Selic em queda, o acesso ao crédito fica mais barato, o que reduz o custo de capital de terceiros e consequentemente a TMA de uma empresa. De forma oposta, altas na taxa Selic levam a uma maior TMA.

 

Valor Presente Líquido – VPL

VPL é um indicador que analisa todos os fluxos de caixa esperados pelo investimento, em uma mesma data. Ou seja, todos os fluxos de caixa são descontados a uma Taxa Mínima de Atratividade (TMA) até a data do investimento. Esses fluxos são então somados e de seu total é subtraído o valor do investimento.

Se o resultado do cálculo do VPL for positivo, significa que o projeto tem capacidade de gerar lucros. Caso o valor seja nulo (zero), significa que o projeto se paga ao longo dos anos, mas sem gerar lucro. E, por fim, se o resultado for negativo, significa que o projeto não gera lucro e sim prejuízo.

 

Taxa Interna de Retorno – TIR

TIR representa a rentabilidade de um projeto de investimento. É expressa na forma de uma taxa percentual, seguindo a periodicidade dos fluxos de caixa. Por exemplo, se os fluxos de caixa são mensais, então a TIR resultante será também mensal. Se os fluxos são anuais, a TIR também será anual. Por isso, é dita como uma medida relativa. Quando substituída pela TMA no cálculo do VPL, o VPL torna-se “zero”.

Ao se analisar a TIR, deve-se ter em mãos a taxa mínima de atratividade (TMA) do investimento, pois será necessário comparar essas duas taxas. Ao se fazer a comparação, depara-se com três possíveis cenários:

·         O primeiro deles é quando sua TIR é maior que a TMA. Nesse cenário, seu projeto consegue pagar o investimento e ainda sobra capital (lucro).

·         No cenário em que a TIR = TMA, significa que seu projeto consegue pagar o investimento sem gerar lucro.

·         E o terceiro cenário é quando sua TIR é menor que a TMA, ou seja, seu projeto não consegue sequer pagar o investimento, gerando prejuízo.

 

Payback

É o indicador que mede quanto tempo um projeto levará para gerar os retornos que paguem o investimento. Existem duas formas de calcular o payback:

·         A primeira é o payback tradicional, também chamado de payback simples, que não leva em consideração o valor do dinheiro no tempo. Por exemplo, se você investiu R$100.000 em uma empresa e ela gera retornos mensais de R$10.000, o payback será de 10 meses.

·         Outra forma de calcular é através do payback descontado, em que se utiliza a TMA para descontar os fluxos de caixa e trazê-los à mesma data do investimento inicial.

 

Conclusão

A análise de viabilidade de projetos é muito importante pois é uma ferramenta de tomada de decisão para o empreendedor. Devemos destacar a necessidade de se fazer projeções sempre realistas para o mercado em questão e sempre justificadas por custos, despesas e investimentos em proporção similares.

 

 

Tem dúvidas? Converse gratuitamente com um consultor da Parmais Empoderamento Financeiro – empresa parceira da Anfarmag na missão de fortalecer os empresários do setor magistral.

Aproveite e conheça o PID –Painel de Indicadores de Desempenho – ferramenta desenvolvida para a USP que é exclusiva e gratuita para farmácias magistrais associadas à Anfarmag.


Autor:
  • Par Mais
    Par Mais
    Investimentos Financeiros
    __
Esse artigo foi útil para você? Sim Não

Idealização e Realização